Preço das habitações aumentam 2,0% no primeiro mês após o início da guerra na Ucrânia

Foram vendidas cerca de 42.500 habitações em Portugal.

De acordo com o Índice de Preços Residenciais da Confidencial Imobiliário, apurado a partir dos dados reportados ao SIR-Sistema de Informação Residencial, a situação de guerra na Ucrânia não afetou a dinâmica do mercado português de habitação, com os preços de venda das habitações a exibirem uma nova subida no primeiro mês após o início do conflito.

Segundo a Confidencial Imobiliário, os preços de venda das habitações em Portugal (Continental) subiram 2,0% em março face ao mês anterior, dando continuidade ao ciclo de fortes subidas mensais dos últimos meses.

Os preços das habitações registam desde início do ano, crescimentos mensais de entre 1,5% e 2,0%, comportamento que resultou numa variação de 5,5% no 1º trimestre do ano face ao trimestre anterior. Desde outubro do ano passado que a subida mensal dos preços supera a marca de 1,0%, levando a uma intensificação da variação trimestral, a qual passou de 2,1% no 3º trimestre de 2021 para 3,9% no 4º trimestre, e para os atuais 5,5%. Desde que este Índice monitoriza o comportamento dos preços de venda da habitação no país, em 2007, esta última subida trimestral é a mais elevada.

Os preços apresentam uma subida de 17,0% em março, em termos homólogos, quase cinco pontos percentuais mais do que os 12,2% que este indicador registava no final do ano passado.

Segundo o SIR-Sistema de Informação Residencial, o preço médio de venda das habitações em Portugal atingiu os 2.015€/m2 no 1º trimestre de 2022, oscilando entre os 3.182€/m2 no segmento de novos e 1.881€/m2 nos usados. No período em análise terão sido vendidas cerca de 42.500 habitações no país, em linha com o trimestre anterior, quando as vendas ficaram em torno das 43.500 unidades, e mantendo a atividade transacional acima das 40.000 unidades pelo terceiro trimestre consecutivo.