Montante investido nos fundos de investimento imobiliário cresceu 0,5% em janeiro

As quotas de mercado mais elevadas eram detidas pela Square AM (12,2%), a Interfundos (8,7%), e a Caixa Gestão de Ativos (7,6%).

De acordo com o resultado dos indicadores mensais dos fundos de investimento imobiliário, apresentados na passada sexta-feira pela CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários), em janeiro de 2023, o valor sob gestão dos fundos de investimento imobiliário (FII), dos fundos especiais de investimento imobiliário (FEII) e dos fundos de gestão de património imobiliário (FUNGEPI) atingiu 12.293,0 milhões de euros, mais 43,9 milhões (0,4%) do que em dezembro.

No que diz respeito ao montante investido nos fundos de investimento imobiliário, o mesmo aumentou 0,5% para 8.877,8 milhões de euros. Nos FEII, o valor subiu 0,1% para 3.150,0 milhões de euros e nos FUNGEPI cresceu 0,4% para 265,2 milhões de euros.

Os países da União Europeia foram, no período em análise, o destino da totalidade do investimento feito em ativos imobiliários, tendo 48,4% da carteira dos FII e FEII abertos sido aplicados em imóveis do setor dos serviços. Também os investimentos realizados pelos FUNGEPI se destinaram, sobretudo, ao setor dos serviços (49,9%).

 As quotas de mercado mais elevadas eram detidas pela Square AM (12,2%), a Interfundos (8,7%), e a Caixa Gestão de Ativos (7,6%).

De acordo com Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, no período em análise foi constituída a sociedade de investimento imobiliário “INNEVOA PROJETOS, NEGÓCIOS E PROMOÇÕES – SICAFI, SA”, gerida pela GEF.

Também em janeiro foram liquidados os fundos de investimento imobiliário “SOLUÇÃO ARRENDAMENTO” e “ARRENDAMENTO MAIS”, geridos pela Norfin, e o “IMORECUPERAÇÃO”, gerido pela Santander AM.