Malparado da banca portuguesa baixa para 4,9% no final de 2020

Non-performing loans (NPLs) in Portugal’s banking sector continued to decrease in 2020, ending the year at 4.9%.

O anúncio foi feito pelo Banco de Portugal que assinala menos 0,4 pontos percentuais que em setembro e 1,3 pontos percentuais abaixo de 2019.

De acordo com o Banco de Portugal, no relatório do quarto trimestre de 2020 sobre o sistema bancário português, o rácio de empréstimos não produtivos (NPL) diminuiu 0,4 pontos percentuais face ao trimestre anterior, para 4,9%, refletindo a diminuição dos NPL (-7%) e o aumento dos empréstimos incluídos no denominador (1,7%).

Os dados divulgados apontam que o valor bruto do crédito malparado dos bancos portugueses recuou 1.087 milhões de euros (cerca de 7%) em dezembro de 2020 face a setembro desse ano, situando-se nos 14.358 milhões de euros. A diminuição do valor dos empréstimos não produtivos foi de 2.841 milhões de euros, em termos homólogos.

No que respeita ao rácio de cobertura dos NPL por imparidades, no final do quarto trimestre diminuiu 0,5 pontos percentuais, para 55,4%, o relatório acrescenta que “condicionado pela evolução no segmento das sociedades não financeiras, onde a diminuição das imparidades acumuladas foi superior à dos NPL”.

Quanto aos particulares, o rácio de cobertura aumentou 2,7 pontos percentuais, para 50,7%, observando-se esta evolução nos segmentos de crédito à habitação (+1,7 pontos percentuais) e de crédito ao consumo e outros fins (+2,4 pontos percentuais).

No quarto trimestre de 2020, o ativo total do sistema bancário português aumentou 0,2%, sobretudo devido ao aumento de 17,9% das disponibilidades em bancos centrais (contributo de +1,2 pontos percentuais para a variação do ativo) e, em sentido contrário, à diminuição dos títulos de dívida, em 3,5% (contributo de -0,8 pontos percentuais).