Magnarem ganha peso em Espanha e Portugal

A consultora centra-se em novos segmentos altamente rentáveis em toda a península ibérica.

Para além da aposta nos segmentos da logística e dos ativos alternativos, a Magnarem, empresa de consultoria recentemente criada em Espanha, continua a expandir a sua base de clientes em ativos de alto retorno e no “build to rent”. Sem esquecer o desenvolvimento que se tem vindo a verificar desde há vários meses em investimentos relacionados com os cuidados de saúde, escritórios e retalho.

Segundo Sergio Recio Martín, gestor de Capital Markets na Magnarem, a empresa pretende “responder a cada cliente em cada situação” e numa altura em que “o sector pode parecer caótico e precisa de ser profissionalizado”.

Neste sentido, a Magnarem fornece apoio ao longo de todo o processo de compra em diferentes áreas, desde a identificação de oportunidades de compra e venda até à gestão e melhoria dos ativos de investimento, bem como a gestão do processo de investimento até à definição de uma estratégia de investimento de fundo.

WhatsApp Image 2022 09 02 at 12.38.22 PM 3Sergio Recio, gestor de Capital Markets na Magnarem

Sergio Recio trabalhou durante anos na empresa de consultoria EY, seguido de um período na Invaria, de onde deu o passo para a Magnarem numa altura em que o mercado se move entre a necessidade de continuar a encontrar nichos de investimento e rentabilidade, enquanto a incerteza de uma recessão continua a ameaçar o horizonte de curto e médio prazo.

É precisamente a inflação histórica sofrida pelos países desenvolvidos, juntamente com a resposta sob a forma de custos de crédito mais elevados dos reguladores, que exige uma análise mais detalhada dos nichos de rentabilidade.

A este respeito, a sociedade que emergiu após a pandemia de Covid desencadeada em 2020 também levou ao surgimento de novas oportunidades em segmentos alternativos, tais como os cuidados sociais e de saúde ou novas formas de cuidados residenciais partilhados.

Logística, o grande alvo

Em paralelo, a logística deu um passo em frente num mundo onde a competitividade é medida em tempo de resposta a um cliente. Os grandes espaços próximos dos nós de ligação das cidades mais importantes são os mais procurados, embora não sejam os únicos.

Nos últimos meses, por exemplo, na Catalunha, os projetos logísticos chave-na-mão dispararam devido à falta de terrenos. Mas todas as semanas há anúncios de transações de novos terrenos industriais ou aquisições entre concorrentes, tais como o anunciado na sexta-feira passada pela Pontegadea em Filadélfia.

Do mesmo modo, a própria EY destacou o segmento industrial e logístico como um dos três mais dinâmicos atualmente, juntamente com os sectores do “living” e dos escritórios.