Flatio anuncia crescimento das receitas em arrendamento para nómadas digitais

Os senhorios receberam reservas em mais de 308 destinos, de Lisboa a Londres.

A plataforma de alojamento mensal para nómadas digitais e trabalhadores remotos – Flatio, registou o seu ano financeiro mais dinâmico desde 2015, ano em que a empresa foi criada, reportando um aumento de receitas de quase 50% (48%) em relação ao ano anterior.

A Flatio acaba de anunciar um crescimento anual das receitas de quase 50% e bookings por nómadas digitais a subir 31%. Depois de um período difícil durante a pandemia, a Flatio tem mostrado sinais de crescimento: desde a aquisição da plataforma flOasis de reservas de alojamento, em 2022, aos ativos imobiliários da NomadX em Portugal. A empresa atribui o seu sucesso ao boom do trabalho remoto e ao crescimento dos nómadas digitais no pós-pandemia.

A Flatio registou, entre dezembro de 2021 e novembro de 2022, receitas de 1,17 milhões de euros, mais 48% do que no ano anterior, e um valor de arrendamento gerado – métrica de quanto dinheiro a empresa recebe dos inquilinos para os seus senhorios – de mais de 5,1 milhões de euros, atingindo um crescimento de 56% em relação ao ano anterior.

O valor pago pelos imóveis arrendados durante 2022 foi de mais de 5 milhões de euros, totalizando os vários destinos em que a Flatio opera, como é exemplo Portugal.

Portugal, o destino número um de nómadas digitais na Europa, mostrou ser um mercado-chave. O valor de arrendamento gerado (montante pago pelos inquilinos à Flatio que é depois entregue aos senhorios) subiu 102% em relação ao ano anterior, e as receitas também tiveram um incremento de 83%. Paralelamente, o número de senhorios ativos cresceu em 11,7%.

A Madeira, onde se fixou a primeira aldeia nómada digital do mundo, observou um aumento do valor de arrendamento gerado de 172%. O número de reservas na ilha cresceu 36%.

De acordo com Radim Rezek, CEO e cofundador da Flatio, “Após um início complicado da pandemia, 2022 foi o nosso melhor ano até à data, com receitas que aumentaram quase 50%. A pandemia foi dura para nós, como foi para a maioria das empresas de viagens, mas estamos a recuperar. O nosso próximo passo é entrar em mais dois mercados no ano que vem para sermos a primeira plataforma em que os nómadas digitais pensam quando procuram estadias mensais acessíveis em destinos nómadas de topo. Queremos ser a referência número um a nível mundial”.

Segundo os dados avançados, a duração da estadia dos utilizadores da Flatio manteve-se constante, com uma média de 2,65 meses em comparação com os 2,51 meses do ano anterior. O número de senhorios aumentou 8% e a maioria (88%) são senhorios a título individual – aqueles com um máximo de 1-3 imóveis ativos na plataforma. O número de bookings feitos por nómadas digitais ou trabalhadores remotos aumentou 31%. No total, os senhorios receberam reservas em mais de 308 destinos, de Lisboa a Londres.

Os principais destinos da Flatio são a República Checa, já que a sua sede é em Brno, Portugal Continental e Madeira, Espanha, que lançou em fevereiro de 2022, Hungria, e outros mercados menos expressivos como Polónia, Eslováquia, Croácia, Áustria, Alemanha, Bulgária e Bélgica.