“É difícil ser mulher especialmente numa indústria dominada por homens“- Fauzia Malik, CEO Cool Blue

Fauzia Malik é a diretora executiva da Super Meals Limited, empresa que produz a marca Cool Blue, sediada em Dar es Salaam, uma cidade na Tanzânia, país na África Oriental.

A CEO da Cool Blue é também responsável pelas fraldas Baby Tembo. Fauzia Malik é uma líder, uma visionária que inspira a que se pratiquem os valores da empresa. A Super Meals Limited é experiente em servir água potável pura da melhor qualidade e assume o compromisso de fornecer água segura, limpa e purificada.

Fauzia Malik não se ficou somente pela direção das empresas, a empreendedora conheceu a EO (Entrepreneur’s Organization) e rapidamente se fez membro da organização. A EO é uma rede global peer-to-peer com mais de 14.000 empresários influentes, composta por 195 chapters, em 61 países. Fundada em 1987, a EO é o catalisador que permite a empresários de referência uma experiência de aprendizagem e desenvolvimento, que conduz a um maior crescimento profissional.

Numa pequena entrevista, Fauzia Malik fala um pouco do seu percurso profissional, da influência familiar e da sua entrada na EO.

De onde vem a ideia de criar uma empresa como a “Cool Blue”?

A Tanzânia é um país em desenvolvimento, sem acesso a água limpa e segura, havia surtos frequentes de cólera na década de 1990. Infelizmente, a nossa água da torneira não era e ainda não é segura para consumo, sem alguma forma de purificação. As pessoas tinham que ferver água potável em fogões a carvão antes de consumi-la. Isso estava a tornar-se difícil tanto em residências como em escritórios. Queríamos fazer parte do combate à cólera, que ceifou muitas vidas, ao fornecer água limpa e segura às pessoas. E foi assim que nasceu a ideia de engarrafar água purificada. Proporcionar às pessoas acesso fácil a água potável limpa e segura, seja em casa ou no trabalho, era o nosso principal objetivo.

Como surgiu na sua vida a vocação para os negócios?

Na minha família estive sempre rodeada de empresários. Tendo crescido numa família voltada para os negócios, era fácil criar em mim essa inspiração, pois tive muitos mentores para me ensinar e orientar.

Como é ter e administrar uma empresa familiar?

Administrar uma empresa familiar é uma grande responsabilidade emocional. No entanto, sinto-me privilegiada e grata pela oportunidade de dirigir uma empresa familiar. O meu sonho é fazer justiça a esse privilégio e criar riqueza geracional para outros que virão depois de mim.

Por ser uma mulher de negócios, como vê a sua presença num mundo onde a maioria dos homens ainda ocupa posições de destaque?

É difícil ser mulher especialmente numa indústria dominada por homens, como a manufatura. No início, era difícil ser ouvida ou levada a sério. Mas ao longo dos anos, aprendi que com o planeamento adequado, consistência e trabalho árduo, uma mulher pode quebrar as barreiras. Aprendi a partilhar a minha visão com as pessoas que importam e obter a sua adesão, compartilhando planos de ação concretos que falem dos seus interesses.

É um dos membros da EO, como conheceu a organização?

Eu ouvi falar sobre a EO em 2014, através de outro pai na escola dos meus filhos. Fui convidada para um evento e soube que queriam abrir um chapter, mas estavam com falta de membros, especialmente mulheres. Acreditei nos seus seus valores e inscrevi-me para poder ajudar no lançamento, bem como chegar a mais mulheres. Eu fui a primeira mulher do chapter.

Como é fazer parte de uma organização como a EO?

Eu defendo o crescimento pessoal, familiar e empresarial que, coincidentemente, é o que significa EO. Gosto de encontrar pessoas que partilham valores e têm a missão de crescer. Cresci muito trocando e partilhando ideias com outros membros. Com a EO, sinto que estou com meus colegas.

Com a sua presença na EO, sente que tem aprendido com outros empreendedores?

Para mim, a EO é antes de tudo um lugar para aprendizagem entre pares. Existem eventos e programas de aprendizagem suficientes, administrados por palestrantes e orientadores de primeira linha. Mas a minha forma preferida de aprender é através de fóruns. Os fóruns são cuidadosamente elaborados, aprendi e cresci muito ao longo dos anos simplesmente compartilhando experiências com os membros do fórum. Quando me inscrevi no Programa de Mestrado em Empreendedores do MIT, fomos colocados em fóruns, portanto, não apenas aprendemos em sala de aula, mas também nos nossos fóruns e nos responsabilizamos mutuamente.

O que pretende que seja o seu legado no mundo?

Desejo ser lembrada como uma pessoa que viveu para servir aos outros, uma pessoa que amou profundamente, cuidou da sua família e ajudou o máximo de mulheres que pode. Eu sou um trabalho em construção e todos os dias trabalho para me tornar uma versão melhor de mim mesma.