Destaques do Mês de Junho em Portugal

O mês de junho apresentou-se como um mês de forte investimento, principalmente no que respeita ao segmento hoteleiro, onde observamos algumas inaugurações e aquisições de unidades destinadas ao turismo.

Não obstante, e apesar das medidas restritivas serem um pouco mais brandas, deparámo-nos a meio do mês de junho com dados preocupantes no que respeita à pandemia, o que desencadeou o cancelamento de mais de 50 mil reservas em Alojamento Local.

Os dados foram avançados pela Associação do Alojamento Local em Portugal, que apurou os dois piores dias em termos de cancelamentos, como o dia em que Portugal entrou na lista vermelha da Alemanha e o dia em que saiu da lista verde do Reino Unido.

Junho ainda ia a meio quando a NextEnergy Capital anunciou o investimento 35 milhões para construir uma central solar em Palmela., distrito de Setúbal. Os britânicos fazem o investimento naquele que é o segundo projeto em Portugal. O projeto deverá entrar em operação em 2022 e vai ocupar 45 hectares de área, a central terá uma capacidade para abastecer mais de 21 mil lares por ano.

No final do mês, Lisboa recebeu a conferência NPL Days Portugal a 24 de junho. A DD Talks foi a Lisboa para reunir investidores seniores, bancos, fundos, servicers e especialistas imobiliários que atuam no mercado português de Non-Performing Loans.  Alguns dos temas mais falados passaram pelo impacto do novo coronavírus Covid-19, as decisões originadas pela pandemia, o fim das moratórias, o inevitável aumento de NPL’s e os lentos processos de licenciamento, dando destaque à simplificação de transações entre empresários, nomeadamente as burocracias relacionadas com a incoerência da documentação legal dos imóveis.

Habitação

O setor foi marcado pelo anúncio da construção do “Dubai na Madeira” num investimento de 250 milhões de euros.  O projeto está dividido em nove lotes para uso de habitação, comércio e serviços. O período de execução da obra é de seis anos. Trata-se de um terreno com 35 mil metros quadrados, está dividido em nove lotes, em cada lote será construído um edifício. Todos os edifícios serão construídos acima do solo e serão rodeados por imensas zonas de espaços verdes e passeios públicos que se destinam não só aos moradores, mas como para o público em geral.

Residências de Estudantes

O Grupo UHUB iniciou a construção de Residência Universitária na Alta de Lisboa. A empresa Gabriel Couto foi a escolhida para a construção da maior residência do grupo em Portugal.O projeto será implantado em quatro lotes, com a construção prevista de oito pisos em cada um dos edifícios acima da cota soleira e um piso enterrado, totalizando uma área total de construção superior a 15.500 m2, sendo cerca de 3.000 m2 destinados à cave. Estão previstos cerca de 12.600 m2 acima do solo e mais de 11.000 m2 serão destinados às residências para estudantes, estando assim previstas 498 unidades de habitação de diferentes tipologias.

Residências Sénior

Neste segmento, em que continuam a surgir cada vez mais projetos no país, foi anunciada a construção de duas novas residências sénior num investimento de 16 milhões de euros, em Oeiras e Coimbra. O Círculo de Mestres uniu-se a um grupo de investidores, não divulgado, para o desenvolvimento das novas unidades. O investimento de 16 milhões euros, permitirá acolher mais 250 utentes, tendo esta rede de residências sénior como objetivo atingir os 1000 utentes a nível nacional dentro de três anos.

Retalho e Logística

Ainda na região de Lisboa, a Altamira vendeu o Centro Empresarial de Alfragide ao Grupo Mercan, o imóvel que inclui três edifícios foi adquirido por mais de 5 milhões de euros. O ativo é constituído por três edifícios, dois deles de serviços, com 3727 metros quadrados, e um armazém, com 1188 metros quadrados, inseridos num terreno com uma área total superior a 6800 metros quadrados.  Localizado em Alfragide, na Amadora, o ativo foi vendido ao Grupo Mercan, com base no Canadá e com atividade em Portugal desde 2015.

Entretanto, já no final de junho foi anunciada a venda do Antigo complexo industrial “A Napolitana”, adquirido por um consórcio internacional de investidores. O Antigo complexo industrial tem um valor total de investimento superior a 50 milhões de euros, incluindo aquisição e obra. Os edifícios da Napolitana, antiga fábrica de massas, localizados em Alcântara, Lisboa, foram adquiridos ao Grupo Auchan por um consórcio internacional de investidores constituído pelas empresas RFR Holding LLC / CGC / Artemis Education.  Está prevista a abertura de uma escola internacional nas instalações da antiga unidade industrial, a primeira em Lisboa do Artemis Education Group. O projeto para a instalação da escola prevê manter o conjunto de quatro edifícios que compõem o antigo complexo fabril, com uma área total de 12.000 m², e a preservação das fachadas originais, representantes únicos da arquitetura industrial portuguesa do início do século XX.  O interior dos imóveis será integralmente renovado e o projeto contempla a construção de um novo edifício.

Hóteis

 O segmento de hotelaria, apesar de todos os contratempos é um dos que se tem mostrado mais resiliente. A norte do país, a marca YOTEL abriu portas de um novo hotel no Porto num investimento de 30 milhões de euros. A nova unidade hoteleira, com um design verdadeiramente tecnológico, promove a experiência mais inovadora e segura no sector.  O YOTEL Porto é um projeto detido pela United Investments Portugal, que disponibiliza 150 quartos e oferece um ginásio, parque de estacionamento, duas salas de reuniões, espaços comuns de trabalho, um espaço totalmente adaptável para eventos com vista sobre a cidade e um restaurante.

Entretanto, o Grupo Pestana anunciou a compra do Hotel Madeira Palácio por 45 milhões de euros, que irá ser transformado em apartamentos e construção de um novo hotel. O Madeira Palácio é composto por quatro lotes: o hotel propriamente dito, uma zona de apartamentos, um terreno para construção ao lado do Pestana Bay e um lote com habitações em regime de colonia, um regime que só existe na Madeira, em que as casas estão habitadas e os colonos têm direito de preferência.

Também no Porto, o Vincci Hoteles inaugurou um hotel num investimento de 29 milhões. O Vincci Ponte de Ferro 4* fica situado em Vila Nova de Gaia, mesmo ao lado da Ponte Dom Luís I. A nova unidade hoteleira oferece uma panorâmica inigualável da cidade e vista para a Ponte Dom Luis I.

O Vincci Ponte de Ferro 4* dispõe de 94 quartos, amplos e muitos com a magnífica vista do rio, da ponte D. Luís I e da cidade do Porto.

Também a norte, o grupo B&B Hotels iniciou a construção de um hotel em Viana do Castelo num investimento de 5,240 milhões. O grupo francês iniciou a construção de uma unidade hoteleira com 116 quartos, que deverá estar concluída em setembro do próximo ano.  O novo hotel vai ocupar uma área de 4.000 metros e localiza-se na Estrada da Papanata, reforçando assim a oferta hoteleira da cidade e do concelho.