Avaliação bancária subiu para 1 174 euros por metro quadrado

A avaliação bancária bateu um novo recorde com o valor mediano de avaliação a atingir 1 174 euros em fevereiro de 2021.

O valor registado é de mais 4 euros que o observado no mês precedente, em termos homólogos, a taxa de variação situou-se em 5,7% (6,1% em janeiro). Refira-se que o número de avaliações bancárias consideradas ascendeu a cerca de 23 mil, menos 4,1% que no mesmo período do ano anterior.

Segundo os dados apresentados pelo Instituto Nacional de Estatística – INE, no que respeita à habitação, em fevereiro de 2021, o valor mediano de avaliação bancária, realizada no âmbito de pedidos de crédito para a aquisição de habitação, fixou-se em 1 174 euros por metro quadrado, tendo aumentado 0,3% face a janeiro, que se fixou nos 1 170 euros por metro quadrado. A redução mais acentuada foi observada na Região Autónoma dos Açores (-0,5%) enquanto que o maior aumento face ao mês anterior se registou na Região Autónoma da Madeira (2,1%). Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o valor mediano das avaliações cresceu 5,7%, registando-se a variação mais intensa no Norte (6,4%) e a menor no Alentejo (2,3%).

No que se refere às moradias, a análise do INE, indica que o valor mediano da avaliação bancária das moradias foi de 975 euros por metro quadrado em fevereiro, o que representa um acréscimo de 5,1% em relação ao mesmo mês de 2020. Foi no Algarve que se observaram os valores mais elevados (1 561 euros/m2) e na Área Metropolitana de Lisboa (1 545 euros/m2 ), tendo o Centro registado o valor mais baixo (812 euros/m2 ). A Região Autónoma da Madeira apresentou o maior crescimento (10,6%) e o menor ocorreu no Algarve (1,1%).  A Região Autónoma da Madeira apresentou o maior aumento, comparativamente com o mês anterior (3,7%), tendo-se verificado a descida mais acentuada na Região Autónoma dos Açores (-1,5%). Comparando com janeiro, os valores das moradias T2, T3 e T4, tipologias responsáveis por 88,8% das avaliações, atingiram os 941 euros/m2 (menos 2 euros), 953 euros/m2 (mais 3 euros) e 1046 euros/m2 (mais 22 euros).

No mês em análise, quanto aos apartamentos, o Instituto Nacional de estatística indica que o valor mediano de avaliação bancária de apartamentos foi 1 291 euros por metro quadrado aumentando 6,9% relativamente ao mês homólogo. O valor mais elevado foi observado na Área Metropolitana de Lisboa (1 562 euros/m2) e o mais baixo no Alentejo (865 euros/m2 ). O Norte apresentou o crescimento mais expressivo (8,3%) e o menor observou-se no Alentejo (0,7%). Comparativamente com o mês anterior, o valor de avaliação subiu 0,5%, tendo a Área Metropolitana de Lisboa apresentado a maior subida (1,9%) e o Algarve a descida mais intensa (-0,9%). O valor mediano da avaliação para apartamentos T2 subiu 2 euros, para 1 299 euros/m2 , tendo os T3 subido igualmente 2 euros, para 1 164 euros/m2 . No seu conjunto, estas tipologias representaram 80,2% das avaliações de apartamentos realizadas em fevereiro.

De acordo com o Índice do valor mediano de avaliação bancária feita por regiões, em fevereiro de 2021, a Área Metropolitana de Lisboa, o Algarve e a Região Autónoma da Madeira apresentaram valores de avaliação superiores à mediana do país (33%, 30% e 2% respetivamente). As regiões da Beira Baixa e Beiras e Serra da Estrela foram as que apresentaram o valor mais baixo em relação à mediana do país (-42%).

O INE revela também o número de avaliações bancárias para o apuramento do valor mediano de avaliação bancária de fevereiro, foram então consideradas 23 087 avaliações bancárias, menos 4,1% que no mesmo período do ano anterior. Destas, 14 602 foram de apartamentos e 8 485 de moradias. Em comparação com o mês de janeiro houve uma redução de 1 770 avaliações bancárias, o que corresponde a uma descida de 7,1%.