Área da saúde invade centros comerciais

A maior preocupação com a saúde ganha destaque e cada vez mais se segue a tendência mundial de ter nos centros comerciais não apenas entretenimento, moda, restauração, informática, cultura, entre outros, mas também serviços ligados à área da saúde são uma constante e tendem a aumentar.

O notável slogan sobejamente conhecido, “Primeiro estranha-se, depois entranha-se”, que Fernando Pessoa escreveu para o refrigerante mais famoso do mundo, faz total justiça e enquadra-se na perfeição ao que está a acontecer no segmento de retalho, na área dos centros comerciais. A saúde e os centros comerciais são setores que se apresentam cada vez mais como indissociáveis. Os serviços e produtos ligados à área da saúde estão a ganhar maior espaço no setor de retalho.

O último ano e meio foi particularmente difícil para este setor, que foi obrigado a adaptar-se a várias mudanças, muitas delas consequência da pandemia, e outras que já se estavam a desenvolver, mas que foram intensificadas pelo contexto. O futuro deste segmento está repleto de potencialidades e oportunidades e algumas dessas mudanças que já estão a caminho foram aceleradas nos últimos 18 meses. Os hábitos de vida saudáveis e todas as preocupações que daí advêm têm promovido esta oferta em maior quantidade.

Já há uns anos se deu a inclusão das farmácias nos centros comerciais, foi na altura um tempo de viragem no setor, que sempre foi mais direcionado para produtos do que para serviços. Nos últimos anos, temos assistido a um exponencial aumento da presença de laboratórios e clínicas médicas que passaram a agregar com maior intensidade a mescla de produtos e serviços dos centros comerciais. Já diziam os antigos que a saúde não tem preço e por isso, muitos consumidores escolhem estes espaços para consultas e realização de exames, principalmente pelo fator da conveniência o que alavanca o número de visitantes e cria fidelização por parte dos consumidores. Conforto, atendimento com maior rapidez, comodidade e conveniência são alguns dos elementos que o cliente beneficia e a resposta a estas necessidades é um gerador de negócio. Serviços à medida, rapidez de acesso e marcação, horários mais flexíveis ou alargados e muitas vezes preços acessíveis, aliados à qualidade de serviço de quem procura soluções de saúde são fatores primordiais, para os quais o retalho tem uma enorme capacidade de resposta.

Por outro lado, em alguns casos, existe também a dificuldade de deslocação para os centros urbanos ou para as localizações de alguns centros comerciais, fatores que aliados à falta de tempo, deixam claro e tornam evidente a oportunidade que os centros comerciais têm em ser os facilitadores. Tornam-se cada vez mais espaços que oferecem ao consumidor a oportunidade de trabalhar, comer, adquirir produtos, tratar de documentos, estudar e ir a consultas médicas. Este conceito multiuso, faz com que a área da saúde se torne cada vez mais representada ao longo do país.

A entrada de espaços de saúde marca uma nova fase da indústria, dando resposta às necessidades de um novo tipo de consumidor que investe cada vez mais em cuidados de saúde, e que, por seu turno, o centro comercial se torna um facilitador da vida dos clientes. Este é cada vez mais um momento importante e de viragem no setor do retalho, em particular dos centros comerciais, é um movimento que embora não seja propriamente novo, a pandemia veio acelerar a necessidade de transformação.

Embora se identifiquem algumas tendências na era digital e com o comércio online a aumentar de dia para dia, é evidente e podemos afirmá-lo com alguma certeza que mesmo assim existem espaços físicos que continuarão a ter um papel determinante e essencial. A saúde é um deles! Com um consumidor cada vez mais preocupado em cuidar da mente e do corpo, assim se alarga um novo nicho de mercado que tem atraído investidores do setor de saúde e bem-estar.

Assistimos assim a uma convergência entre estes dois setores, que acompanham os hábitos e necessidades do consumidor, com os centros comerciais a apostarem cada vez mais neste segmento como estratégia de negócio.