“A partilha” – João Fonseca – Perito Avaliador de Imóveis – MRICS, REV, CMVM

João Fonseca – Perito Avaliador de Imóveis – MRICS, REV, CMVM

A palavra partilha deve ser a palavra que mais vezes é aplicada no mercado imobiliário.

Escrevia Massimo Forte, formador na área da mediação imobiliária, no seu artigo para a revista Visão “Sabia que a partilha pode duplicar ou triplicar a probabilidade de venda do seu imóvel?”, que “A partilha de um imóvel em processo de venda por uma agência imobiliária, consiste na possibilidade de essa agência disponibilizar a informação que tem sobre o imóvel, como preço, fotos, características, entre outras informações, a outras empresas de Mediação Imobiliária que poderão estar interessadas em promover o imóvel com a perspetiva de partilha de comissão por terem em base de dados potenciais interessados para adquirir o imóvel em causa.”

No início da minha relação profissional com Massimo Forte, falámos várias vezes sobre este assunto. A posição de partida que eu tinha era que a partilha, associada à exclusividade na promoção, seria perniciosa para o cliente imobiliário.

O tempo veio a tirar-me a razão e eu, por competência, egoísmo e por prazer, tornei-me um indefetível da partilha.

Apesar de ser uma matéria que me é alheia, veio a tornar-se claro para mim que a exclusividade na promoção de um imóvel dá melhores condições para a realização do trabalho do mediador imobiliário. Desta forma, este consegue investir racionalmente os seus recursos de tempo e dinheiro na sua promoção, por forma torná-lo mais conhecido no mercado, não prejudicando o espectro de potenciais interessados. As várias agências trabalham em rede e assim o imóvel é convenientemente divulgado. Uma vantagem, portanto, para os clientes.

O egoísmo tem a ver também com a exclusividade. Existindo exclusividade, o agente imobiliário não tem problemas em identificar o imóvel que promove, o que do ponto de vista do perito avaliador de imóveis é excelente. Acabam aqueles anúncios dúbios, com falta de informação ou informação errada de áreas, que infelizmente ainda existem, que não nos permitem identificar com exatidão o imóvel, obrigando a descartá-lo da nossa amostra. É egoísmo, mas também dá jeito.

Voltando novamente a Massimo Forte, este também se referiu, algures no tempo, a um tipo de partilha que não tem a ver unicamente com a mediação imobiliária, mas que é transversal a todas as atividades, tornando-se numa filosofia de vida. Refiro-me, concretamente, à partilha de conhecimento.

Alguma da notoriedade que fui obtendo na minha atividade profissional resulta da escrita num blogue que criei em 2011, onde, paulatinamente, domingo a domingo, tenho vindo a divagar sobre temas relacionados com a avaliação imobiliária e a atividade do perito avaliador de imóveis. Isto permitiu-me conhecer novas pessoas, que iam interagindo comigo.

O meu crescimento enquanto profissional da avaliação imobiliária deve-se muito à minha opção de partilhar conteúdo.

Porquê?

Muito simplesmente porque fui conhecendo pessoas que colocavam questões, obrigando-me a pensar. A essas mesmas pessoas eu também ia colocando as minhas dúvidas, que invariavelmente eram esclarecidas. Foi assim com o Pedro, de Carregal do Sal ou com o Francisco, de Condeixa, e com tantos outros colegas espalhados pelo país.

Quem me vai conhecendo sabe da minha relação muito próxima, profissionalmente, com um colega perito avaliador. Partilhamos os dois as nossas dificuldades e as nossas descobertas. Falamos vezes sem conta, às vezes mais que uma vez por dia, sobre assuntos da nossa profissão. Algo, no entanto, vai perdurar no tempo, mesmo quando nós abandonarmos a atividade: a amizade.

Finalmente, dizer-vos que li em algum sítio que partilhar ajuda a diminuir os sintomas de depressão e ansiedade, fazendo-nos sentir bem com nós próprios. Não pensamos tanto nos problemas e ficamos mais agradecidos com aquilo que temos. A grande vantagem é que todos nós temos sempre qualquer coisa para dar, nem que seja o nosso tempo!

Lembram-se que lá atrás escrevi que a partilha também era prazer?